No banco da minha escola – “ Segurança Online”


Os alunos de todas as turmas do curso profissional do 3.º ano do Agrupamento participaram no dia 8 de maio na terceira sessão do programa “No Banco da minha Escola”. O tema desta sessão foi ” Segurança Online” e foi dinamizada pelo gerente Vitor Duarte, da agência de Pombal do banco Eurobic, em representação da Associação Nacional de Bancos. Na sessão também estiveram presentes as turmas do 10.ºE2, 10.ºH e 10.ºI. Esta atividade foi proposta no âmbito da modelação matemática, uma vertente importante da matemática financeira, abordada no módulo A9 da disciplina de matemática e enquadrada no tema “Risco” de Cidadania e Desenvolvimento.

Durante a sessão, foi abordado o tema “ Segurança Online”. Os alunos ficaram a saber quais os tipos de fraude que existem online e quais os cuidados a ter. Foi abordado que sempre que               usamos a Internet e as redes sociais deixamos um rasto de dados e informações que é conhecido como a pegada digital e que pode ser consultado o que acontece a cada minuto na internet no site Internet In Real Time | See How Many Users the Most Popular Apps Have (betfy.co.uk).

Foram apresentadas as fraudes phishing / smishing, vishing, spoofing, “Olá mãe, Olá pai”, a fraude em compras online e a fraude de romance. O phishing consiste na utilização de e-mails fraudulentos para enganar o destinatário, de modo a que este partilhe dados pessoais, financeiros ou códigos de segurança. ​ O smishing é idêntico ao phishing mas feito através de SMS, ou seja, mensagem de telemóvel. No vishing, tal como o phishing ou smishing, o objetivo é obter dados pessoais ou códigos de acesso mas através de chamadas telefónicas. O spoofing é uma forma de falsificação de identidade, com o objetivo de obter informações pessoais, esta prática pode ser realizada de diversas maneiras, incluindo a criação de sites falsos, o envio de e-mails fraudulentos, chamadas telefónicas e mensagens de texto falsas. A fraude “Olá Mãe, Olá Pai” consiste, normalmente, no envio de uma mensagem por WhatsApp, em que alguém se faz passar por um filho ou filha que fala com o pai ou com a mãe.​

A fraude em compras online consiste em enganar o consumidor através de sites falsos, anúncios apelativos ou campanhas com promoções agressivas, que levam o cliente a efetuar a compra e o pagamento.​ O cliente pensa que está a fazer uma encomenda credível, paga o produto mas na verdade a encomenda nunca chega e entretanto os burlões já ficaram com os dados do cartão de crédito, que poderão usar para fazer outros pagamentos e compras de forma ilegal.​ Muitas vezes, conseguem reproduzir sites que parecem ser verdadeiros, pois utilizam o logótipo, o contacto ou catálogo com fotografias idênticas à da marca, mas que  são falsos.​

Na fraude de romance os burlões atacam através de sites de encontros, redes sociais ou e-mails para estabelecer o contacto e começam a desenvolver uma relação de intimidade com a vítima, alegando que estão “apaixonados, ganham a confiança da vítima e depois pedem dinheiro, presentes, dados da conta ou cartões, ​se a pessoa não enviar o dinheiro, tentam fazer chantagem

​Nos cuidados a ter, para evitar riscos desnecessários, foram analisados casos reais e deixadas algumas  mensagens:  “Não respondas a emails suspeitos.​”;  “Verifica sempre se o endereço a partir do qual é enviado é o oficial”, “Examina os emails com cuidado: Desconfia se disserem que determinado serviço foi bloqueado e necessita ser ativado ou se tiverem erros gramaticais ou frases mal formulada”; “Não cliques nos links, nem descarregues ou abras os anexos de emails suspeitos” ; “Desconfia de chamadas não solicitadas de alguém que diz ser de um Banco ou prestador de serviços​”; “Se te pedirem dados pessoais, bancários ou códigos pelo telefone, desliga de imediato “; “ Se te disserem que tens que anular uma operação e que é muito urgente, desliga e contacta o teu banco para confirmar se é verdade ​“; ” Reporta o incidente à polícia, a um familiar ou a um(a) professor(a)​”.

Esta sessão foi muito enriquecedora para os alunos, pois permitiu-lhes adquirir conhecimentos e competências essenciais para a sua vida futura.

Estar online e em segurança depende de cada um de nós! ​Proteção e evitar riscos são condições fundamentais para a segurança de todos.​

Este tipo de atividades é fundamental para uma educação financeira sólida e responsável dos nossos alunos. Através de sessões práticas e interativas como estas, os alunos são preparados para tomar decisões informadas e equilibradas ao longo das suas vidas, minimizando os riscos financeiros online.

Ana Francisco- Professora de Matemática

Visita de Estudo ao Porto- alunos do 2º ano dos Cursos profissionais


No dia três de maio, os alunos de segundo ano do ensino profissional realizaram uma Visita de Estudo ao Porto, com o tema “O Porto multidimensional: da literatura camiliana ao mundo académico e empresarial”, no âmbito das disciplinas das componentes sociocultural e tecnológica.

No período da manhã, os alunos visitaram a antiga Cadeia da Relação do Porto, atual Centro Português de Fotografia e a Alfândega do Porto. A Cadeia da Relação do Porto é um espaço relacionado com os conteúdos de Português, mais especificamente com a obra Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco. A sessão expositiva e a visita guiada proporcionaram-lhes, não só o aprofundamento de conhecimentos biográficos do autor, como também uma viagem até ao passado, permitindo uma melhor perceção sobre as vivências sociais do século XIX e, em particular, aqueles que dizem respeito à clausura, aos espaços reservados a cada classe social e às condições de salubridade existentes em cada um dos pisos da referida Cadeia. Também foi possível apreciarem a exposição permanente de máquinas fotográficas e aprenderem acerca da evolução deste tipo de equipamentos desde o século XIX até à atualidade.

A visita à Alfândega do Porto permitiu, por um lado, percorrerem este monumental edifício neoclássico do Porto, identificando na toponímia dos espaços as funções aduaneiras de outrora, entrando na antiga Tesouraria ou conhecendo os centenários guindastes do seu cais fluvial e ramal ferroviário. Por outro lado, descobriram como a praia de Miragaia desapareceu aquando da construção do Edifício da Alfândega Nova e, entre tubos de ensaio e microscópios, imaginando o «tic-tac» dos relógios e o «teclar» das máquinas de escrever, os alunos puderam observar, na exposição “Metamorfoses de um lugar”, esquissos da renovação do edifício e registos ímpares da atividade cultural que faz deste espaço uma autêntica «Casa da Comunicação».

O período da tarde foi dedicado às visitas relacionadas com a componente tecnológica de cada curso. Deste modo, o 2º TAL visitou o Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto e o 2º TAGD visitou o “Jumpers Trampolim Parque”. Quanto ao 2ºTIS, os alunos visitaram a empresa de software “IPBrick e o 2º TCM visitou o Museu do Holocausto. Relativamente ao 2ºTEAC, a visita foi ao Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores da Universidade do Porto.

Em suma, feita a avaliação deste dia de aprendizagens “fora da sala de aula”, é de sublinhar a sua enorme relevância, quer por alargar horizontes e reforçar as relações interpessoais, quer por permitir o contacto com o património cultural e com diferentes instituições de ensino superior ou ligadas ao mundo empresarial.

 

Graciosa GonçalvesCoordenadora da Equipa Pedagógica do 2º ano dos Cursos Profissionais,

Abril: Resistência e Sonho


Os nossos alunos nasceram no século XXI. O que sabem eles do século anterior? Sabem que os portugueses viveram numa ditadura e que o 25 de Abril de 1974 nos trouxe a democracia e a liberdade. Mas é importante que eles saibam como se pensava, como se vivia e, principalmente, como se resistia.

Numa aula para o 3º ano do ensino profissional, os alunos foram convidados a fazer uma viagem entre 1927 e 1974, que lhes permitiu ter um vislumbre de como as diretrizes do poder relativamente à economia, à vida social e cultural marcaram o nosso país.

Com a participação de alguns alunos da plateia, leram-se frases emblemáticas como o famoso “peço a palavra” da crise académica de 1969, o “Obviamente demito-o” da campanha do General Humberto Delgado em 1958, ou a justificação dos censores para impedir a exibição de certos filmes ou a publicação de Banda Desenhada como “Tarzan”. Tendo como recurso a publicidade “Espias” nas versões antes e pós-censura, que é uma proposta do Plano Nacional de Cinema, os alunos foram convidados a “encontrar as diferenças” e a refletir sobre o seu propósito. Também a literatura esteve presente com a leitura do poema “Arrebatada”, de Maria Teresa Horta, e a referência aos vários livros censurados que estão em evidência na nossa Biblioteca, para que cada aluno, hoje, os possa livremente citar. As fotografias de Eduardo Gageiro também foram apreciadas como uma prova irrefutável das condições de vida da época.

Ao longo da atividade projetaram-se documentos autênticos como notícias de jornal, artigos censurados ou tabelas de coimas para quem não cumprisse “a moral e os bons costumes”.

Ouviu-se e sentiu-se “Grândola Vila Morena”, do Zeca Afonso.

Durante quase cinco décadas houve quem resistisse. A arte pode ser a forma de resistência por excelência: uma pintura que nos interpela, um verso que rasga o conformismo, uma canção que é um canto coletivo. Durante quase cinco décadas houve quem sonhasse. Sonhasse que era possível a mudança e a liberdade. Para que todos continuemos a sonhar – porque há sempre novos desafios – ouviu-se, por fim, “Agora nunca é tarde”, de Pedro Barroso.

 

Cecília Costa – Professora de Português

 

As portas que abril abriu – PNC :“Capitães de Abril”


No passado dia 16 de abril, os alunos do 1º ano do ensino profissional encheram o auditório Gabriela Coelho para ver o filme “Capitães de Abril”, da realizadora Maria de Medeiros. Esta é uma das propostas do Plano Nacional de Cinema (PNC), integrada nas atividades que assinalam, no Agrupamento, o cinquentenário do 25 de Abril, sob o lema “As portas que Abril abriu”.

O filme permite aos alunos, que nasceram décadas depois, conhecer os acontecimentos e as personagens mais marcantes do dia 25 de abril de 1974. Inicia-se ainda no dia 24 com o desencadear das operações na Rádio e no Quartel em Santarém e termina com a libertação dos presos políticos ao final do dia 25. “Capitães de Abril” permite perceber as circunstâncias excepcionais de uma Revolução que aconteceu maioritariamente de forma pacífica. Nem faltou a situação insólita daqueles que pensavam que “às vezes, é preciso desobedecer” terem obedecido ao sinal vermelho do semáforo, que imobilizou momentaneamente a coluna militar de Salgueiro Maia ao chegar a Lisboa.

Após a exibição, a coordenadora do PNC estimulou a reflexão sobre o impacto do 25 de Abril na construção da democracia e explorou alguns aspectos específicos do filme de modo a que os alunos percebessem como a linguagem cinematográfica contribui para a preservação da memória coletiva.

Mais tarde, os alunos avaliaram muito positivamente a atividade e deixaram registos como “Gostei muito de assistir ao filme ‘Capitães de Abril’. Foi uma experiência importante que enriqueceu a minha compreensão dos acontecimentos históricos, e a exploração final feita pela professora ajudou a contextualizar ainda mais o contexto e as motivações dos protagonistas.”( Tomás Martins ); “Gostei da parte do filme que o povo foi considerado importante para 25 de abril”( Kauan Lima); “Eu sendo estrangeira e recente no país adorei conhecer mais sobre o “25 de Abril”. E através do filme pude conhecer mais sobre esse evento histórico tão importante para o País. Foi um filme incrível e me trouxe várias reflexões, uma verdadeira obra de arte.”( Michele  Melgar). 

 

Cecília Costa – Coordenadora PNC

 

Menção Honrosa para alunos do 2.º TCM na Competição HACKATHON das Joclad 2024


No dia 12 de abril, quatro equipas do nosso Agrupamento, no total de 15 alunos ( 3 alunos do 3.ºTEAC e 12 do 2.ºTCM), participaram na competição HACKATHON das Joclad 2024, das 9:30 às 17:00, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Politécnico de Leiria (IPL). Nesta competição participaram oitenta e três alunos, treze equipas na categoria “ Ensino Secundário/CTeSP”, num total de 47 alunos, e nove equipas na categoria do “ Ensino Superior”, num total de 36 alunos.

Um HACKATHON é um evento competitivo onde os participantes, organizados em equipas e com base nas suas competências e conhecimentos procuram soluções inovadoras para o desafio que lhes é apresentado. O objetivo de um HACKATHON de dados é aplicar técnicas de estatística e análise de dados para encontrar soluções para problemas e desafios do mundo real.

Os alunos tiveram oportunidade de trabalhar com conjuntos de dados, aprender novas ferramentas e técnicas de ciência de dados e colaborar num ambiente de equipa e de elevada intensidade.

O trabalho apresentado pela equipa dos alunos Bianca Martins, Jéssica Lourenço, José Lucas Santos  e Tainá Freitas, do 2.ºTCM, foi distinguido no dia 20 de abril com uma Menção Honrosa. Os alunos foram premiados com entradas na Academia de Verão 2024 da ESTG – Academia de Verão (ipleiria.pt).

A cobertura audiovisual deste evento nacional foi feita pelos 16 alunos do 2.º TCM que não participaram na competição, no âmbito  de atividades “On the Job”. Estes alunos tiveram a oportunidade de visitar alguns espaços do IPL, nomeadamente a Biblioteca José Saramago, os “GAME LAB”, a Rádio da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais e o Centro de Recursos para a Inclusão Digital.

O trabalho de cobertura audiovisual realizado pelos nossos alunos está disponível na página oficial das JOCLAD 2024 – JOCLAD 2024 – Leiriackathon (google.com)

Uma palavra de agradecimento a todos quantos tornam possível a participação dos nosso alunos nesta competição e na atividade de cobertura do evento, em especial à Direção do Agrupamento, ao Município de Pombal  e à Comissão Organizadora das Joclad.

Ana Francisco – Professora de matemática

Atividade de jogos dinamizada pelo 2.º TCM no 1.º ciclo


No passado dia 15 de abril, os alunos da turma do 2.ºTCM, no âmbito da disciplina de matemática, dinamizaram nas turmas 4.ºF e 4.ºG da EB1 Conde de Castelo Melhor uma atividade com os jogos matemáticos: hex, pontos e quadrados, ouri, nim, peões, charada de Sam Loyd, “o que sou eu”, solitário e cães e gatos. O principal objetivo desta iniciativa foi promover nos alunos o desenvolvimento de confiança nas suas capacidades matemáticas, assim como fomentar a persistência, autonomia e à-vontade em lidar com situações que envolvam a Matemática, tanto no percurso escolar como na vida em sociedade. Além disso, a atividade também teve como objetivo contribuir para o desenvolvimento das competências elencadas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, tais como linguagens e textos, relacionamento interpessoal, desenvolvimento pessoal e autonomia e saber científico, técnico e tecnológico.

Esta experiência permitiu que os alunos colocassem em prática o que aprendem em sala de aula, de uma forma lúdica e interativa, estimulando assim o gosto pela Matemática e incentivando a sua aplicação em diferentes contextos do quotidiano.

Os alunos do 4.º ano demonstraram entusiasmo e empenho durante os jogos, evidenciando um grande interesse em aprender de forma interativa e lúdica. Esta iniciativa foi, sem dúvida, uma experiência enriquecedora e motivadora para todos os envolvidos.

O 2.º TCM agradece às  professoras  Ana Simões e Ofélia  Aguiar por terem aceite o desafio da implementação desta atividade nas suas turmas.

Ana Francisco – Professora de matemática