Revisitar os Heróis de Abril – Atividade Integradora do curso EFA


Está patente, desde o dia 9 de junho, no átrio da ESP, uma exposição com cartazes elaborados pelos formandos do curso EFA, nível secundário, no âmbito da atividade integradora número dois, que foi subordinada ao tema: Cultura mediática na cidade de Pombal e as comemorações do 25 de Abril 1974.

No dia 2 de maio de 2022, percorremos as ruas da cidade de Pombal onde se recordam todos aqueles que tornaram o 25 de Abril possível. O percurso iniciou-se com uma paragem junto ao memorial aos Heróis do Ultramar. No Largo Salgueiro Maia, situado junto à estação dos caminhos de ferro da cidade, admirámos o busto do capitão Salgueiro Maia, que viveu em Pombal durante a sua juventude, e os cartazes que recordam as ações deste herói de Abril. Seguidamente, visitámos o Largo do Cardal, onde se encontra uma exposição de painéis com fotografias, que documentam como a população de Pombal viveu o período revolucionário de 1974. A noite terminou com um jantar convívio entre formadores e formandos.

No dia 10 de maio, pelas 20:00 horas, no auditório Dr.ª Gabriela Coelho, assistimos ao filme “Capitães de Abril”, da realizadora Maria de Medeiros. Durante duas horas foram recordados os acontecimentos que ocorreram na madrugada do dia 25 de abril de 1974, os quais permitiram a libertação do país de 48 anos de uma ditadura fascista.

Nas diferentes áreas de formação realizaram-se várias pesquisas sobre este período revolucionário, e fez-se uma análise do papel da mulher no Estado Novo em comparação com os tempos atuais, tendo em consideração excertos das “Novas Cartas Portuguesas”.

Realizámos um estudo sobre a importância dos meios de comunicação via rádio, durante a Revolução de Abril e refletimos sobre o papel da escola antes e após o 25 de abril de 1974, comparando os dois sistemas de ensino.

Esta foi uma atividade muito enriquecedora que nos permitiu reconhecer o importante papel de muitas portuguesas e portugueses, que com a sua forte determinação, muito se sacrificaram para devolver a paz e a liberdade ao povo português.

Os formandos do Curso de Educação e Formação de Adultos

Reflexão sobre o conflito sírio – Videoconferência


No âmbito do curso EFA, no dia 24 de fevereiro, pelas 20:00horas tivemos o gosto de assistir à palestra, em videoconferência, subordinada ao tema “O conflito sírio e as relações internacionais”, dinamizada pela Doutora Teresa Cravo, Professora de Relações Internacionais na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Este conflito, embora não seja tão falado como era, ainda é um conflito ativo e sem fim à vista e o mais letal do século XXI.

A Doutora Teresa Cravo começou por localizar geograficamente o conflito, sublinhando que se trata de um país rico em petróleo e gás natural o que representa interesses para os outros países.

Clarificou, de seguida, que o conflito na Síria é uma guerra civil entre o governo de Bashar al-Assad, que governa o país num regime ditatorial desde o ano de 2000, e fações rebeldes com intenções de acabar com o governo. Este começou em 2011, quando o governo sírio respondeu de uma maneira brutalmente violenta a protestos que pediam a reforma do governo, mais emprego e melhores condições de vida. Este uso despropositado de força aumentou ainda mais a revolta do povo contra o governo de Bashar al-Assad, fazendo com que civis se unissem a militares que tinham desertado do país e formassem milícias armadas anti governo.

Envolveram-se outros países para ambas as fações. A Turquia para a parte rebelde e a Rússia para o governo de Bashar al-Assad. As fações terroristas aproveitaram-se do conflito e da instabilidade do país para conquistar território.Ler mais…

“Ser sénior em Pombal” – Atividade Integradora do Curso EFA


Realizou-se, no dia 20 de janeiro, pelas 20:00 horas, no Auditório Dra. Gabriela Coelho da Escola Secundária de Pombal, uma mesa redonda subordinada ao tema “Idoso em tempos de pandemia – mudanças, necessidades, respostas”, no âmbito da Atividade Integradora do Curso EFA “Ser Sénior em Pombal”. Nela estiveram presentes a Dra. Catarina Silva, vice-presidente da Câmara Municipal de Pombal, Dra. Carla Longo, presidente da Junta de Freguesia de Pombal, Dra. Isabel Serra e Dr. João Jesus da Fundação, Dr. Lourenço Júnior e Dra. Sílvia Oliveira, presidente da Universidade Sénior de Pombal.

Com esta enriquecedora mesa redonda, ficámos a saber quais as instituições de apoio aos idosos que existem no concelho, as atividades que estão a ser desenvolvidas no sentido de promover um envelhecimento ativo e saudável, o que foi feito no sentido de adaptar essas atividades ao tempo de pandemia que vivemos e o que é que está a ser feito no concelho para a inclusão digital dos idosos. São muitas e muito variadas as ações e os projetos em curso que estão a ser desenvolvidos, por cada uma das entidades presentes, no apoio a esta classe sénior do nosso concelho, dependendo do seu foco principal. A linha de atuação vai, por exemplo, no sentido da recuperação das habitações de modo a manter, o mais tempo possível, as pessoas nas suas casas, combater o isolamento social e a iliteracia digital. O tempo de pandemia trouxe ainda mais desafios, no que diz respeito ao maior isolamento e falta de atividade física. Percebemos que o envelhecimento se prepara desde que nascemos e que todos podemos e devemos ajudar as pessoas idosas que são a nossa identidade. Por exemplo, o projeto “Eu sou digital” precisa de jovens voluntários.

Esta mesa redonda foi muito enriquecedora  e representou o culminar da nossa atividade integradora. Através de uma videoconferência com a médica Dora Ribeiro, subordinada ao tema “Alimentação” – Hábitos de vida saudável e prevenção de doenças”, pudemos refletir sobre os nossos hábitos e as mudanças a introduzir. Realizámos um inquérito aos nossos familiares mais idosos, sobre os seus hábitos alimentares e procedemos ao tratamento desses dados. Também criámos um livro de receitas (e-book _Receitas da Avó) que intitulámos: “Receitas da Avó” uma recolha de receitas da nossa terra.

Procurámos também perceber a evolução da população nos últimos cinquenta anos no concelho de Pombal e procedemos à construção de pirâmides etárias que nos mostraram o quão envelhecido está o nosso concelho. Finalmente, fizemos uma recolha de informação sobre a evolução da faixa etária dos assinantes de jornais na região centro. Toda a informação recolhida foi sistematizada em cartazes realizados com a ferramenta Canva e foram e expostos no átrio da escola.

Os formandos do curso EFA

Que segredos são guardados no concelho de Pombal, nos seus espaços históricos e culturais?


Ao finalizar o ano letivo de 2020/21, os formandos o curso EFA, do nível secundário, no âmbito da atividade integradora número três, subordinada ao tema “A memória dos lugares e a epifania dos espaços – espaços, valores e cultura no concelho de Pombal”, desenvolveram e participaram em atividades variadas: assistiram ao Webinar “Turismo e património cultural de Pombal”, gravaram contos tradicionais, fizeram pesquisas sobre o património concelhio e participaram na tertúlia “Oh, meu Pombal”, integrada na Semana Aberta, em articulação com o Centro Qualifica e a Biblioteca Escolar. Construíram como produto final um e-book, na plataforma calameo que intitularam: “Que segredos são guardados no concelho de Pombal, nos seus espaços históricos e culturais?”.

Esta atividade integradora foi um bom impulso para descobrir o concelho de Pombal, visto que o território esconde muitos segredos e curiosidades nos seus espaços históricos e culturais, que vão desde os tempos mais imemoriais aos mais contemporâneos.

Assim, fica aqui o convite para uma visita ao concelho e à descoberta das imensas riquezas guardadas em cada recanto.

http://

Os formandos do Curso EFA

Palestra, por videoconferência, “Conflito Sírio e Relações Internacionais” – Curso EFA


No âmbito da Atividade Integradora número dois “Como viver juntos – Desafios da diversidade cultural” do curso EFA realizou-se, no dia doze de abril, mais uma palestra, por videoconferência, de partilha de conhecimentos e experiências: “Conflito Sírio e Relações Internacionais”, dinamizada Doutora Teresa Cravo, Investigadora do Núcleo de Estudos sobre Humanidades, Migrações e Estudos para a Paz (NHUMEP) do Centro de Estudos Sociais e Professora Auxiliar de Relações Internacionais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Depois de uma localização geográfica do conflito sírio, a sessão focou-se nas suas origens, nas várias fases, implicações e consequências do mesmo nas dinâmicas das relações internacionais.

Em 2011 a região do Médio Oriente e Norte da África estava a ser abalada por uma onda de protestos, conhecida como Primavera Árabe, contra os regimes autoritários e é neste contexto que surgem as manifestações de denúncia de corrupção na Síria. O governo ordenou então às forças de segurança que abrissem fogo contra os manifestantes e desencadeou-se uma guerra civil, o conflito mais letal do século XXI com cerca de 320.000 a 450.000 mortes, 1,5 milhões feridos, 6,6 milhões de refugiados, cerca de 2 milhões de crianças fora da escola, 70% da população sem acesso a água potável e a pobreza a atingir 80% da população, 6, 7 milhões de deslocados internos, com 13,5 milhões de sírios a precisarem de assistência humanitária e 500 mil mortos e desaparecidos. Quem pode ficar indiferente a estes números?Ler mais…

“EUA/México, o muro de Trump e o sonho americano – uma leitura cultural” – Videoconferência


No dia 24 de fevereiro de 2021, realizou-se uma palestra, por videoconferência, dinamizada pela Dr.ª Maria José Canelo do CES (Centro de Estudos Sociais) da Universidade de Coimbra, no âmbito da atividade integradora do Curso EFA “Como podemos viver todos juntos? Desafios da diversidade cultural”. Foi abordado o tema “EUA/México, o Muro de Trump e o sonho americano-  uma leitura cultural”.

A palestrante começou a sua apresentação mostrando imagens de uma série de muros. Existem muitos países no mundo, inclusivamente na Europa, que já edificaram muros. Alguns já foram derrubados e outros permanecem intactos. São exemplos dos que permanecem intactos o que separa Israel da Palestina, “Checkpoint Bethlehem/Jerusalem” ou o que separa a Irlanda do Norte e a Irlanda do Sul, estranhamente conhecido como “Muro da Paz” “Peace Wall, Shankhill Road” em Belfast. Todos eles são fruto de ódios, discriminação, violência e outros sentimentos inconfessáveis, incontroláveis e sobretudo incompreensíveis.

O Muro de Trump tem sido mais mediatizado. O principal intuito desta construção foi travar a migração ilegal.

Uma fronteira é um mecanismo de controlo social, gestão da população, num âmbito de um estado-nação e um instrumento de exclusão. As fronteiras não são naturais, são produto da história. Elas servem para uma pretensa proteção das nações, organização do território, delimitação dessas nações, respeito pelas soberanias nacionais e para afastar os “não-desejáveis. Mas estes muros, assim como as fronteiras, não impedem que os povos os passem. De uma maneira ou de outra, todos tentam ultrapassar estas barreiras, porque não têm nada a perder. No entanto, não se pode deixar de lamentar dez mil hispânicos que já morreram a tentar passar a fronteira.

Neste momento, vivem nos Estados Unidos cento e onze milhões de hispânicos correspondendo a um quarto da população. Destes, dez a onze milhões são indocumentados e tentam ao máximo não ser vistos. Trabalham e cumprem com todas as regras, mas não têm direito a qualquer regalia de segurança social. A professora Maria José sublinhou que agora eles têm uma enorme esperança de que possam ser legalizados, pois o presidente Biden prometeu que iria criar legislação nesse sentido.

Nesta sessão, refletimos o quão mesquinho pode ser o ser humano ao considerar o seu semelhante inferior e sem direitos iguais só porque é de outro país ou tem outra cor de pele ou outra religião.

Formandos do Curso EFA

“Princípios éticos numa cultura científica e tecnológica” – Videoconferências no curso EFA


Decorreram nos dias 24 de novembro e 2 de dezembro 2020, no Auditório Dra. Gabriela Coelho, no âmbito da Atividade Integradora número um do Curso EFA, duas palestras por videoconferência sob o tema “Princípios éticos numa cultura científica e tecnológica”.

A primeira palestra debruçou-se sobre a problemática “Uma comunidade global ética e solidária – Que condutas e comportamentos” e foi dinamizada pela Dra. Catarina António da ONG “Fundação Fé e Cooperação”, que pertence ao Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social e que tem a seu cargo Projetos de Educação para o Desenvolvimento.

A segunda palestra, realizada em parceria com a Equipa da Saúde do Agrupamento focou-se na questão da bioética com o tema “Ética na saúde/ ciência e controvérsia”. Foi dinamizada pelo Dr. João Ramalho Santos, Professor Associado do Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, líder do grupo de investigação em Biologia da Reprodução e Células Estaminais do CNC (Centro de Neurociências e Biologia Celular).

A Dra. Catarina António partilhou com os presentes, de forma envolvente em calor humano, apesar da distância física, as suas vivências nas frequentes e variadas experiências de voluntariado pelo mundo. Esta partilha proporcionou aos formandos momentos de reflexão e levou-os até realidades de vida muito diferentes que ela conheceu, quer no nosso país, quer em Timor Leste, Moçambique, Brasil e Guiné Bissau. Ficou bem presente o humanismo da conferencista quando referiu a sua solidariedade para com os mais pobres, os migrantes, as populações carenciadas que vivem nos bairros degradados às portas de Lisboa, entre outras situações onde é necessário intervir com eficácia e vontade de agir e mudar. É necessário ser solidário, dizia ela, e isso implica sair do “nosso quintalinho”. Segundo a Dra. Catarina, a atual pandemia poderá ser uma oportunidade para pôr em prática o valor da solidariedade, começando pela nossa rua/bairro. Devemos ter sempre presente a questão? E se fosse eu? Esta reflexão terminou com a ideia de que não basta ter sonhos. O importante é ter projetos e concretizá-los.

O Professor Doutor João Ramalho Santos, através de uma imagem, começou por evidenciar que a resposta a uma pergunta depende sempre da perspetiva de quem a interpreta e isto acontece de uma forma ainda mais visível com as questões da bioética. Destacou os princípios básicos que orientam uma tomada de posição. Temos, por exemplo, o princípio da beneficência, o da não maleficência, o da autonomia e o da justiça. Foi discutida a questão da eutanásia e da procriação medicamente assitida, das barrigas de aluguer e os princípios subjacentes à sua aceitação ou recusa do lado da sociedade em geral e do lado da ciência/ médicos.

Em suma, quem esteve presente nestas duas palestras ficou, sem qualquer dúvida, enriquecido em conhecimentos e em humanismo! Há pessoas que têm um valor indiscutível e que nos podem ensinar muito.

 

Os formandos do curso EFA

À descoberta do tecido empresarial da região


No dia 15 de junho de 2019, os formandos do curso EFA de nível secundário da Escola Secundária de Pombal, acompanhados pelos seus formadores, fizeram uma visita de estudo integrada no cumprimento da Atividade Integradora número três intitulada “O impacto do tecido empresarial no desenvolvimento socioeconómico da região de Pombal”.

O dia começou com a visita à “Queijaria Prado do Sicó”, em Santiago da Guarda, uma das empresas que produz e promove produtos da região, a qual já foi galardoada cinco vezes com a distinção de “Melhor queijo de Portugal” e recebeu também outras menções honrosas.

Acompanhados pelo proprietário e empreendedor, o Senhor José Sá, o grupo fez uma visita guiada à empresa, começando pelo cais onde o leite é recebido, passando pelos laboratórios de análise do mesmo, conservação, pasteurização, processo de confeção e embalamento. Tudo foi explicado com minúcia e entusiasmo!

No final, houve lugar para a degustação dos diferentes tipos de queijo produzidos na fábrica. Uma autêntica iguaria!

Mas, a visita não estava completa. O grupo dirigiu-se, em seguida, ao Complexo Monumental da mesma localidade.

O Complexo Monumental de Santiago da Guarda é um monumento nacional desde 1978 e único exemplar de arquitetura manuelina na região. Na sua origem, foi uma vila tardo-romana dos séculos IV e V, mas descoberta apenas em 2002. Contém 17 conjuntos de mosaicos  policromáticos dessa época, descobertos em pleno século XXI. Um está eximiamente exposto na área de acolhimento e é um dos maiores que são conhecidos na Península Ibérica.

Este Complexo integra o Paço dos Vasconcelos, Condes de Castelo Melhor, e a vila tardo-romana dos séculos IV-V, reunindo, assim, diferentes épocas históricas num espaço único e três estilos arquitetónicos: arte romana, gótica e manuelina. Foi também a residência de campo dos Condes de Castelo Melhor, no séc. XIX.

Antes do regresso, realizou-se um convívio com piquenique no parque de merendas de Santiago da Guarda. Descubra o nosso e-book.

Os formandos do curso EFA