Tertúlia “Desafios à Escola, à Família e à Comunidade”


O fim da tarde de sexta-feira, 6 de março, foi tempo de falar de desafios.

Na Escola Secundária de Pombal, reuniram-se muitos daqueles que se sentem hoje desafiados. A tertúlia “Desafios à Escola, à Família e à Comunidade” foi um encontro de parceiros que trabalham na prevenção de comportamentos de risco e na promoção de estilos de vida saudáveis dos jovens deste concelho. Esta ação de sensibilização e reflexão conjunta surgiu no âmbito do projeto “Crescer em Afetos” do Agrupamento de Escolas de Pombal, em articulação com o programa “Like Saúde”, coordenado pela autarquia de Pombal.

Este programa de estratégia preventiva e interventiva começou em 2015/16 no ensino secundário e hoje abrange todos os níveis de ensino, inclusive o pré-escolar. Envolve a ARS (Administração Regional de Saúde) do Centro através do CRI (Centro de Respostas Integradas) de Leiria, o Centro de Saúde de Pombal, o Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere, a Guarda Nacional Republicana, a Polícia de Segurança Pública e as escolas de Albergaria dos Doze, Guia, Louriçal, Meirinhas, Pombal e Redinha. É um grande projeto, que implica diferentes olhares sobre o mesmo problema e procura respostas concertadas. É sabido que, para grandes missões, todas as mãos são poucas.

O programa “Like Saúde” visa trabalhar com as nossas crianças e jovens, porque é urgente que, desde idades muito precoces, eles reconheçam que as dependências são riscos para a saúde e têm efeitos nos processos vitais, nas relações sociais e na integridade psíquica. A abordagem às dependências abrange as substâncias psicoativas (álcool, tabaco e outras drogas) e aqueles comportamentos aditivos mais recentes para os quais a sociedade começa agora a despertar (telemóvel, redes sociais, jogo online, ….). O programa tem ainda apostado na formação de professores, educadores, assistentes operacionais e pais. Esta tertúlia foi mais um passo nesse sentido.

Uma palavra muito repetida na tertúlia foi “capacitar”: capacitar os alunos, os professores, as famílias e a sociedade civil. Esta capacitação (perceber os potenciais problemas dos jovens, encontrar formas adequadas de falar sobre eles desde cedo e procurar encaminhamentos disponíveis) é fundamental para diligenciar respostas. As escolas, as forças de segurança, os técnicos de saúde precisam das famílias em todo o processo de deteção destes comportamentos de risco e no acompanhamento da resolução. Nas palavras da vereadora Ana Cabral, queremos “famílias empenhadas não só no sucesso educativo, mas também num projeto de vida”.

A Doutora Ana Soledade, do CRI de Leiria, expôs a sua experiência de técnica, de mãe e de filha para transmitir algumas orientações face às perguntas dos pais presentes. Orientações… porque não há fórmulas matemáticas para educar. Não prometeu facilidades nem deixou receitas. Segundo esta terapeuta, “os pais querem sempre o melhor para os filhos mas alguns pais sabem fazer mais coisas do que outros”, ou seja, este saber educar é o enorme desafio que se impõe hoje a todos!

Equipa da Educação para a Saúde

Jornada “Sangue, uma dádiva de vida”


No âmbito da promoção da dádiva de sangue junto dos jovens,  realizou-se, no dia 29 de janeiro de 2020, no ginásio da Escola Secundária de Pombal, a Jornada “Sangue, uma dádiva de vida”, dirigida aos estudantes do 9.º ano de escolaridade.

Esta jornada contou com a participação do Dr. José Mário Gama, técnico superior do Serviço de Sangue do Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra (CHUC); D. Leonor Ferreira, presidente da Associação de Dadores de Sangue do Outeiro da Ranha (Pombal); Dr. Luís Negrão, responsável do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST); o testemunho de uma história de vida contada na primeira pessoa por um Encarregado de Educação que necessitou de sangue; um representante do município de Pombal, Dra. Sofia Gonçalves, e uma apresentação dos resultados de um trabalho intitulado “A dádiva de sangue na perspectiva dos estudantes de Pombal”, realizada pelos alunos no âmbito da disciplina de ciências naturais.

A jornada teve como objectivo principal sensibilizar os jovens para a necessidade da dádiva de sangue enquanto única proveniência de tão precioso líquido para o tratamento de inúmeras situações médicas.

O envelhecimento da população portuguesa é uma realidade social do nosso país que se reflete, consequentemente, no envelhecimento da população dadora, sendo assim necessário garantir que aqueles que, por motivo de idade ou de doença, deixam de poder dar sangue sejam condignamente substituídos por jovens. Neste seguimento, esta jornada procurou dar um contributo para que os jovens concorram, mais tarde, com a sua dádiva para as necessidades do país de uma forma mais consciente e mais responsável.

Estefânia Pires

Raquel Ferreira

Projeto de Educação para a Saúde

Clube Ciência Viva

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Dar sangue é dar vida!


O ano 2020 começou. O início é sempre tempo de investimento em palavras confiantes, decisões importantes e ações promissoras. Fortalecidos por este espírito, a manhã do dia 9 de janeiro foi tempo de dádiva na Escola Secundária de Pombal. O Centro do Sangue e da Transplantação de Coimbra esteve presente na nossa Escola para fazer uma colheita de sangue.

Ainda não há substituto para o sangue. Todos os dias há pessoas que, por razões diversas, precisam de receber o sangue de outrem. Por isso, há que o recolher para as necessidades correntes e criar reservas nacionais. Há pessoas que já entenderam que doar 450ml deste líquido precioso é um bem para todos, um ato de ternura humanitária e um dever cívico. Em homenagem a estes heróis anónimos, voluntários e beneficentes – os dadores de sangue – foi dedicado um dia nacional, o 14 de junho.

Em Coimbra, Lisboa e Porto, os Centros fixos do Instituto Português do Sangue e da Transplantação fazem recolhas diárias e no website deste Instituto encontramos todas as sessões de colheita agendadas a nível nacional. Dar sangue não dói, é inofensivo, é seguro e pode repetir-se três ou quatro vezes por ano, respetivamente dadores femininos ou masculinos. Os requisitos gerais são: ter idade igual ou superior a 18 anos (doar sangue não tem idade limite, mas podemos ser dadores de medula óssea até aos 45 anos), ter peso superior a 50 kg e ser saudável. Todavia, para aferir impedimentos, é efetuado um exame médico prévio. Tudo é controlado e executado por profissionais. Ao dador, nada acontece, a não ser a alegria de dar vida e saúde a alguém em necessidade. O sangue serve ainda para fazer derivados e encontrar dadores de medula óssea. Estes são inscritos numa base de dados nacional e internacional a fim de encontrar compatibilidade com doentes de leucemias e linfomas.

Eis, pois, uma verdade científica: este gesto tão simples pode mudar vidas, ajudar a curar e ser fonte de esperança. Propomos à ciência este desafio de investigação: será que os dadores de sangue não terão um coração mais forte… ou maior?

A todos os dadores de sangue, a nossa gratidão sincera.

Equipa de Educação para a Saúde

1 de dezembro: Dia Mundial de luta contra a SIDA


Em 1988, a Assembleia Geral das Nações Unidas e a Organização Mundial de Saúde (OMS) instituíram o primeiro dia de dezembro como o Dia Mundial de Luta contra a SIDA. Nestas três décadas, investigadores, profissionais de saúde, instâncias governamentais e outras instituições têm travado grandes combates contra esta doença: novos tratamentos, adoção de estratégias eficazes de rastreio e políticas de suporte ao doente. Muitos avanços foram conseguidos na abordagem, no seguimento e no tratamento da doença, pelo que esta infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) foi transformada de doença mortal em doença com características de cronicidade.

Contudo, o trabalho continua, um dos objetivos a nível global é a erradicação desta pandemia até 2030. Simultaneamente, investe-se noutros campos de atuação, também eles prioritários, tais como a qualidade de vida dos sobreviventes, a discriminação/ estigmatização e o desenvolvimento da literacia, sendo este último o mais eficaz meio de melhorar significativamente os índices epidemiológicos.

Muitas pessoas ainda resistem à realização do teste VIH, com receio de enfrentar o diagnóstico e o estigma vivenciado nos meios sociais, laborais e familiares. Só este simples facto prolonga a doença, acelera o seu desenvolvimento e a sua transmissão. Há ainda tanto a fazer…

A Escola Secundária de Pombal não podia deixar de assinalar este Dia Mundial de Luta Contra a Sida com uma exposição de materiais informativos. Alertar, informar, apelar, prevenir, acautelar, nunca parecem excessivos. Importa também estender a mão aos doentes em recuperação, lembrar os infetados sem acesso a qualquer terapia, evocar os falecidos e homenagear todos aqueles que vivenciam ou vivenciaram a doença enquanto cuidadores.

Ostentamos na entrada da nossa escola o laço vermelho, símbolo de solidariedade coletiva e de comprometimento individual na luta contra a SIDA. Desta forma aliámo-nos ao lema da OMS deste ano no combate a esta doença: «As comunidades marcam a diferença», pois reconhece-se que a intervenção local dará frutos a nível nacional e internacional.

Equipa de Educação para a Saúde

Refood na Escola Marquês de Pombal


No dia 21 de outubro de 2019, na Escola Básica Marquês de Pombal, os alunos das turmas do 6.º ano assistiram a uma sessão dinamizada por voluntários da Refood e organizada no âmbito dos Domínios de Articulação Curricular e do projeto de Educação para a Saúde. Nesta sessão, estiveram também presentes além dos alunos e dos professores, representantes da direção do Agrupamento e da Junta de Freguesia de Pombal.

O voluntário da Refood começou a sessão por apresentar esta organização independente (instalada em Portugal há 30 anos) e explicou a forma como esta se organiza: os voluntários, as fontes de alimentos, os beneficiários, o núcleo de operações, o apoio comunitário e a liderança. Na região de Leiria, há 207 voluntários que trabalham duas horas por semana para ajudar esta causa.

De seguida, evidenciou-se quais os seus objetivos relativamente ao direito à alimentação e ao aproveitamento do desperdício alimentar. Os alunos ficaram a saber muito mais sobre o que se passa em Portugal onde, por exemplo, um português em cada nove passa fome, enquanto mais de 1,3 milhões de toneladas de comida são desperdiçadas (cada português desperdiça 97 kg de alimentos por ano). Há mesmo um estudo de 2012 que concluiu que as pessoas desperdiçam 17% dos alimentos. Os alunos ficaram também a saber que o processo é simples: recolhe-se, divide-se e entrega-se junto dos que mais precisam de alimentos!

Esta atividade vem sensibilizar para os direitos humanos, sendo que o direito à alimentação é um deles. Por ser importante alertar para esta causa, a turma do 6.º C realizou esta notícia, para todo o Agrupamento, na aula de Português, com a professora Ana Letra.

Alunos do 6.º C

Comer bem, viver melhor


O Dia Mundial da Alimentação, celebrado a 16 de outubro, visa alertar para a promoção de uma alimentação saudável e sustentável, disponível e acessível para todos, de forma a erradicarmos a fome e erros alimentares. Esta responsabilidade de comer racionalmente, sem desperdício dos nossos recursos e da nossa saúde, tem de ser partilhada por todos: decisores políticos, empresas privadas, sociedade civil e famílias.

O Agrupamento de Escolas de Pombal, desde o pré-escolar ao ensino secundário, também quis dar voz a esta sensibilização, através da exploração de materiais em sala de aula, sugeridos pela nutricionista do Centro de Saúde, e da afixação de cartazes sobre boas práticas que urge não esquecer ou adotar: tomar o Pequeno-almoço, consumir Sopa e “Os 10 princípios da Dieta Mediterrânica”.

Os docentes e alunos do 6.º ano de Ciências Naturais construíram uma Pirâmide Alimentar Mediterrânica que auxilia a comunidade educativa a fazer escolhas alimentares mais saudáveis.

O ATL Marquês de Pombal comemorou o dia divulgando o slogan “Alimentação Saudável, uma ótima ideia”. Num painel os alunos registaram ideias sobre alimentação saudável e como “prémio” de participação receberam uma maçã com frutos secos. Durante a tarde, o sol veio saltar à corda com os meninos e foi uma alegria!

Uma vez que neste dia é também celebrado o Dia Mundial do Pão, o Agrupamento coroou este alimento tão antigo, rico e versátil. Assim, foram divulgadas receitas variadas de Pão e, nos bares das escolas, promoveram-se menus deliciosos e nutricionalmente equilibrados (mnham! mnham!), em articulação com o professor Filipe Matos e os alunos do curso profissional de Técnico de Restaurante – Bar.

Porque alimentação e exercício físico têm de ser “bem amassados”, na Escola Marquês de Pombal, houve dança, dinamizada pela professora Aida Antunes.

Assim se provou que há “ementas” milagrosas que alimentam a nossa energia, a nossa saúde e a nossa alegria!

Equipa de Educação para  a Saúde

A saúde é (funda)Mental


A Organização Mundial de Saúde (OMS) define Saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afeções e enfermidades”. Lembremos, pois, que ser saudável é mais do que não ter doenças. Educam-nos para conquistar o bem-estar físico mas pouco se fala de Saúde Mental e da sua relação com a nossa robustez social.
A ciência sabe agora que a Saúde Mental envolve uma série de fatores socioeconómicos, biológicos e ambientais. Sabe também que a Saúde Mental vai para além de transtornos ou distúrbios mentais. Deixemos as averiguações científicas para os técnicos e foquemo-nos no essencial: os problemas mentais são transversais, todos estamos vulneráveis, portanto precisamos de estar alerta e informados. Vivemos num mundo de rápidas mudanças, exclusão, discriminação, condições laborais e sociais stressantes e exposição a diferentes formas de violência. É, assim, obrigatório falar de Saúde Mental enquanto problema de saúde pública, porque tem implicações vastas (até físicas) nos seres pensantes e interativos que somos, nas nossas realizações individuais e na nossa participação na comunidade.
No dia 10 de outubro comemorámos o Dia Mundial da Saúde Mental, uma iniciativa que resultou da parceria de várias entidades comprometidas neste trabalho de sensibilização, prevenção e intervenção: Projeto de Promoção e Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas de Pombal, Plano Nacional de Saúde Escolar, equipas Local de Saúde Escolar e de Educação para a Saúde.
Desde o 1.º ciclo ao ensino secundário, foram dinamizadas atividades em contexto de sala de aula, com o objetivo de desmistificar este tipo de perturbações e apontar caminhos. Só assim podemos procurar a autoproteção, perceber e acolher quem sofre. Nos recintos escolares, a comunidade escolar construiu o placar “Deixa aqui um pouco de ti…” e participou na tertúlia com técnicos do Centro de Saúde de Pombal. Na EMP também houve dança, nos intervalos da manhã, dirigida pela professora de Educação Física, Aida Antunes.
Atualmente, esta é uma preocupação vital das sociedades em todo o mundo, contudo já no século I ou II d.C. o filósofo e poeta romano Juvenal tinha esta convicção: o melhor que o Homem pode dar a si próprio é mens sana in corpore sano (“uma mente sã num corpo são”).

P´la equipa de Educação para a Saúde, Ana Moço

Campanha “Setembro dourado”


            Cancro significa incerteza. Significa luta. Significa amor à vida. Cancro na criança significa ACREDITAR que tudo isto resultará em futuro.  A Acreditar tem 25 anos. É uma associação que faz Acreditar que uma rede de partilha feita de crianças, jovens, pais e amigos faz a diferença na vida de todos os que (con)vivem com o cancro. Que faz Acreditar que o impacto da doença pode ser minorado e alguns desafios têm solução.

A Acreditar lança agora mais uma forma de luta: a campanha “Setembro Dourado” é um grito de alerta numa sociedade que tende a esquecer, talvez esmagada por tantas preocupações emergentes. Setembro é o mês internacional de sensibilização para o cancro infantil e o Agrupamento de Escolas de Pombal aliou-se a esta iniciativa que decorrerá até dia 30 de setembro com o objetivo de despertar consciências.

Setembro é recomeço para as famílias e as escolas, é caminho novo que se abre à nossa frente. Setembro é transição dos longos dias dourados de sol para o carinhoso dourado das árvores outonais. Dourado simboliza Força, Coragem e Resiliência, virtudes que habitam em nós mas que podem ser maximizadas por quem nos dá a mão, principalmente na doença. Acreditar nesta renovação e numa vida dourada é fundamental para as crianças com cancro.   Na oncologia pediátrica, os progressos abrem caminhos de esperança: dos cerca de 400 novos casos diagnosticados por ano, 80% são curáveis! É ainda pouco…

Segundo a Acreditar, há muitas batalhas que continuam a exigir compromissos, decisões e mudanças: o diagnóstico precoce; a falta de um sistema de saúde forte, ágil e bem apetrechado; o preconceito e a desinformação relativamente à doença; o apoio destas famílias através de leis mais protetoras e adjuvantes da cura; a falta de investimento estatal nos registos oficiais, na investigação e nos tratamentos inovadores, que afastam Portugal dos avanços europeus; a feliz sobrevivência e o “depois” (a qualidade de vida, a inclusão e readaptação destas crianças e jovens na vida escolar e profissional, o tratamento das sequelas físicas e emocionais).

A Acreditar pede a nossa ajuda nesta corrente conjunta de esforços. Não podemos silenciar. O Agrupamento de Escolas de Pombal deseja a todas as crianças um futuro … de ouro!

Equipa de Educação para a Saúde

Suporte Básico de Vida na Semana dos Afetos


Mais uma vez, o gosto pelas boas práticas conducentes ao respeito pela vida e pela saúde esteve presente na nossa escola, no passado dia 11 de março, com a realização de uma sessão de “Mass Training de Suporte Básico de Vida”pelos técnicos do INEM. Esta atividade constituiu-se em duas partes: uma teórica e outra de caráter prático. Os alunos envolvidos mantiveram uma atitude correta e de grande adesão à atividade, demonstraram muito interesse e, em conjunto com os professores envolvidos, puderam perceber e aplicar os procedimentos a adotar em caso de emergência, os quais poderão fazer a diferença entre morrer e viver.

A equipa da Educação para a Saúde presta um reconhecido agradecimento a todos os que, de qualquer forma, contribuíram para o êxito da atividade, salientando a grande disponibilidade sempre demonstrada pelos formadores do INEM.

Sónia Marques

 

“Namorar com fair play”


No Dia de São Valentim, a Escola Secundária de Pombal recebeu a ação “Namorar com Fair Play”, coordenada pelas Técnicas do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), Dra. Paula Gomes e Dra. Célia Caseiro, e dinamizada pela Voluntária pombalense, Dra. Adriana Marques.
Os alunos das turmas 9º D, 10º A, 12ºA, B e G foram alertados para os diferentes tipos de violência no namoro, com relatos e exemplos esclarecedores. Foram referidos números verdadeiramente perturbantes de vítimas, cabendo-nos – a todos – um papel ativo para evitar que continuem a aumentar. Não deve ser tolerado um “amor” violento, porque “quem te ama não te agride!”, como pudemos ouvir num dos vídeos apresentados durante a sessão.
Agradecemos a intervenção das representantes do IPDJ que nos deram a oportunidade de esclarecer os estudantes, com vista à prevenção da violência.

Fátima Marques, Clube dos Direitos Humanos, GAAF
Lídia Ribeiro, Projeto Young VolunTeam
Marta Mota, Coordenadora da Equipa de Promoção e Educação para a Saúde (PES)