Viver a Diabetes na Escola


No âmbito do Dia Mundial da Diabetes, 14 de novembro, e do projeto de Educação para a Saúde, realizou-se uma sessão de sensibilização e esclarecimento, na turma F do quinto ano, dinamizada pela enfermeira Jerusa Gameiro, da UCC de Pombal, em articulação com o aluno Gonçalo Sousa, da turma A do décimo segundo ano, que, gentilmente, aceitou o convite para dar o seu testemunho.

Os alunos demonstraram bastante interesse por esta sessão e elaboraram pequenos trabalhos com o apoio das disciplinas de Português e de Cidadania e Desenvolvimento, que estão afixados no recinto escolar da Escola Básica Marquês de Pombal.

Élia Alves

Comemoração do Dia Mundial da Alimentação


No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Alimentação, a equipa de Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas de Pombal disponibilizou aos professores, desde o pré-escolar ao secundário, os manuais escolares “PENSA UM MOMENTO, POUPA UM ALIMENTO!”, publicados pela FAO com o objetivo de sensibilizar para o desperdício alimentar.

Em diversos espaços, foi disponibilizada informação sobre a “A importância do pequeno-almoço”, “A importância do consumo de sopa” e os “10 princípios da Dieta Mediterrânica”. Nos bufetes, em consonância com o Despacho n.º 8127/2021, promoveram-se packs de comida saudável e fizeram-se novos folhetos de divulgação de ementas (sandes e fruta ou sumo de laranja).

Os alunos do 9.º C e do 9.º E fizeram Rodas Alimentares em Francês, no âmbito do projeto SELF, e recolheram alimentos que foram entregues ao Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família.

No dia 19 de outubro, promoveu-se uma sessão, no âmbito da Educação Alimentar, dirigida aos alunos do 5.º ano. A sessão com o tema “Alimentação dos jovens estudantes” realizou-se online, tendo sido dinamizada pelo Dr. Sérgio Cunha Velho, Nutricionista do Hospital Pediátrico de Pombal, em articulação com a Liga Portuguesa contra o Cancro, Núcleo Regional do Centro.

Os alunos do 6.º ano refletiram sobre “Como posso evitar o desperdício alimentar?” e o resultado destas reflexões foram afixadas num “mural”, na Escola Básica Marquês de Pombal.

O Centro de Ocupação Juvenil (COJ) dinamizou algumas atividades sobre esta temática e a importância da Atividade Física na saúde.

Realizou-se, ainda, uma sessão sobre o “O uso das algas numa alimentação saudável e sustentável” para os alunos das turmas A, B e D do 11.º ano, que decorreu no auditório Dra. Gabriela Coelho, tendo sido disponibilizados marcadores de receitas com algas. Após a apresentação, a Dra. Ana Marta Gonçalves, do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) da Universidade de Coimbra, presenteou os participantes com a possibilidade de provar uma sobremesa confecionada com algas.

Estas atividades foram dinamizadas pela equipa de Educação para a Saúde em articulação com os professores de Ciências Naturais do 2.º CEB e de Biologia/Geologia do 11.º ano, assistentes operacionais dos bufetes e técnicas do COJ.

A Equipa da Saúde

Outubro Rosa | Mês de Prevenção do Cancro da Mama 


No decorrer do mês de outubro, os alunos do 2.º e 3.º ciclo distribuíram, à comunidade educativa, uma fita rosa e informação relativa à prevenção do cancro da mama, aliando-se ao movimento mundial que, neste mês, dá um destaque especial a esta problemática.

Chamando a atenção para esta questão de saúde pública, foram colocados laços rosa no exterior das Escolas Básica Marquês de Pombal e Secundária de Pombal e foi divulgada informação da Liga Portuguesa Contra o Cancro nos diferentes espaços.

A Equipa da Saúde

Maio, mês do Coração


A Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) institucionalizou o mês de maio como o “Mês do Coração”, a pensar na sensibilização dos cidadãos para a problemática das doenças cardiovasculares e para a necessidade de todos adotarmos hábitos  saudáveis, nomeadamente, uma alimentação equilibrada e a prática regular de exercício físico.

Neste sentido, no âmbito dos DAC – “Erguer futuros com saúde” os alunos das turmas do 6.º G e do 6.ºH criaram o calendário do mês de maio, com frases (uma para cada dia do mês), receitas de vida saudável e poemas alusivos ao tema, envolvendo as disciplinas de Ciências Naturais, Português e Educação Visual. Esta atividade demonstrou como é possível articular saberes diversos e tornar o processo de aprendizagem mais dinâmico e motivador para os docentes e discentes envolvidos.

Os alunos mostraram-se empenhados, criativos e participativos, chamando a atenção de toda a comunidade escolar para a importância dos nossos hábitos diários na prevenção deste tipo de doenças, através da exposição dos seus trabalhos.

Agrupamento participou no ciclo de “webinares” promovidos pelo Conselho Nacional de Saúde


No âmbito da comemoração do dia Mundial da Saúde, que ocorreu no dia 7 de abril, o Agrupamento de Escolas de Pombal participou no ciclo de webinares promovidos pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), em parceria com a Direção-geral de Educação e a Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ). Estes webinares, com o objetivo de construir uma Agenda da Juventude para a Saúde na próxima década, decorreram sob a forma de debates, cujo tema aglutinador, “construir um mundo mais justo e saudável”, permitiu abordar as prioridades dos jovens relativamente às políticas de saúde que lhes são dirigidas.

O Agrupamento de Escolas de Pombal esteve presente em todos os webinares, ocorridos na semana de 6 a 9 de abril. Assim, nos dias 6 e 8, a aluna Íris Santos, do décimo segundo ano, participou nos debates relacionados com os temas “Saúde Mental: sei reconhecer?” e “A sustentabilidade: usar o presente sem comprometer o futuro”. Já a aluna Carolina Valente, do décimo primeiro ano, esteve presente, nos dias 7 e 9, na discussão dos temas “Cyberbullying: este problema é meu?” e “Atividade física e alimentação: como gerir o meu corpo”. É de salientar e louvar a forma prestimosa, honrosa como representaram o Agrupamento e a assertividade com que colocaram as dúvidas, as preocupações e expuseram as sugestões relativamente a estas temáticas.

Os webinares estão disponíveis na página do Agrupamento, no link Promoção e Educação para a Saúde.

A equipa de Educação para a Saúde do A.E.P.

Tertúlia “Desafios à Escola, à Família e à Comunidade”


O fim da tarde de sexta-feira, 6 de março, foi tempo de falar de desafios.

Na Escola Secundária de Pombal, reuniram-se muitos daqueles que se sentem hoje desafiados. A tertúlia “Desafios à Escola, à Família e à Comunidade” foi um encontro de parceiros que trabalham na prevenção de comportamentos de risco e na promoção de estilos de vida saudáveis dos jovens deste concelho. Esta ação de sensibilização e reflexão conjunta surgiu no âmbito do projeto “Crescer em Afetos” do Agrupamento de Escolas de Pombal, em articulação com o programa “Like Saúde”, coordenado pela autarquia de Pombal.

Este programa de estratégia preventiva e interventiva começou em 2015/16 no ensino secundário e hoje abrange todos os níveis de ensino, inclusive o pré-escolar. Envolve a ARS (Administração Regional de Saúde) do Centro através do CRI (Centro de Respostas Integradas) de Leiria, o Centro de Saúde de Pombal, o Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere, a Guarda Nacional Republicana, a Polícia de Segurança Pública e as escolas de Albergaria dos Doze, Guia, Louriçal, Meirinhas, Pombal e Redinha. É um grande projeto, que implica diferentes olhares sobre o mesmo problema e procura respostas concertadas. É sabido que, para grandes missões, todas as mãos são poucas.

O programa “Like Saúde” visa trabalhar com as nossas crianças e jovens, porque é urgente que, desde idades muito precoces, eles reconheçam que as dependências são riscos para a saúde e têm efeitos nos processos vitais, nas relações sociais e na integridade psíquica. A abordagem às dependências abrange as substâncias psicoativas (álcool, tabaco e outras drogas) e aqueles comportamentos aditivos mais recentes para os quais a sociedade começa agora a despertar (telemóvel, redes sociais, jogo online, ….). O programa tem ainda apostado na formação de professores, educadores, assistentes operacionais e pais. Esta tertúlia foi mais um passo nesse sentido.

Uma palavra muito repetida na tertúlia foi “capacitar”: capacitar os alunos, os professores, as famílias e a sociedade civil. Esta capacitação (perceber os potenciais problemas dos jovens, encontrar formas adequadas de falar sobre eles desde cedo e procurar encaminhamentos disponíveis) é fundamental para diligenciar respostas. As escolas, as forças de segurança, os técnicos de saúde precisam das famílias em todo o processo de deteção destes comportamentos de risco e no acompanhamento da resolução. Nas palavras da vereadora Ana Cabral, queremos “famílias empenhadas não só no sucesso educativo, mas também num projeto de vida”.

A Doutora Ana Soledade, do CRI de Leiria, expôs a sua experiência de técnica, de mãe e de filha para transmitir algumas orientações face às perguntas dos pais presentes. Orientações… porque não há fórmulas matemáticas para educar. Não prometeu facilidades nem deixou receitas. Segundo esta terapeuta, “os pais querem sempre o melhor para os filhos mas alguns pais sabem fazer mais coisas do que outros”, ou seja, este saber educar é o enorme desafio que se impõe hoje a todos!

Equipa da Educação para a Saúde

Jornada “Sangue, uma dádiva de vida”


No âmbito da promoção da dádiva de sangue junto dos jovens,  realizou-se, no dia 29 de janeiro de 2020, no ginásio da Escola Secundária de Pombal, a Jornada “Sangue, uma dádiva de vida”, dirigida aos estudantes do 9.º ano de escolaridade.

Esta jornada contou com a participação do Dr. José Mário Gama, técnico superior do Serviço de Sangue do Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra (CHUC); D. Leonor Ferreira, presidente da Associação de Dadores de Sangue do Outeiro da Ranha (Pombal); Dr. Luís Negrão, responsável do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST); o testemunho de uma história de vida contada na primeira pessoa por um Encarregado de Educação que necessitou de sangue; um representante do município de Pombal, Dra. Sofia Gonçalves, e uma apresentação dos resultados de um trabalho intitulado “A dádiva de sangue na perspectiva dos estudantes de Pombal”, realizada pelos alunos no âmbito da disciplina de ciências naturais.

A jornada teve como objectivo principal sensibilizar os jovens para a necessidade da dádiva de sangue enquanto única proveniência de tão precioso líquido para o tratamento de inúmeras situações médicas.

O envelhecimento da população portuguesa é uma realidade social do nosso país que se reflete, consequentemente, no envelhecimento da população dadora, sendo assim necessário garantir que aqueles que, por motivo de idade ou de doença, deixam de poder dar sangue sejam condignamente substituídos por jovens. Neste seguimento, esta jornada procurou dar um contributo para que os jovens concorram, mais tarde, com a sua dádiva para as necessidades do país de uma forma mais consciente e mais responsável.

Estefânia Pires

Raquel Ferreira

Projeto de Educação para a Saúde

Clube Ciência Viva

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Dar sangue é dar vida!


O ano 2020 começou. O início é sempre tempo de investimento em palavras confiantes, decisões importantes e ações promissoras. Fortalecidos por este espírito, a manhã do dia 9 de janeiro foi tempo de dádiva na Escola Secundária de Pombal. O Centro do Sangue e da Transplantação de Coimbra esteve presente na nossa Escola para fazer uma colheita de sangue.

Ainda não há substituto para o sangue. Todos os dias há pessoas que, por razões diversas, precisam de receber o sangue de outrem. Por isso, há que o recolher para as necessidades correntes e criar reservas nacionais. Há pessoas que já entenderam que doar 450ml deste líquido precioso é um bem para todos, um ato de ternura humanitária e um dever cívico. Em homenagem a estes heróis anónimos, voluntários e beneficentes – os dadores de sangue – foi dedicado um dia nacional, o 14 de junho.

Em Coimbra, Lisboa e Porto, os Centros fixos do Instituto Português do Sangue e da Transplantação fazem recolhas diárias e no website deste Instituto encontramos todas as sessões de colheita agendadas a nível nacional. Dar sangue não dói, é inofensivo, é seguro e pode repetir-se três ou quatro vezes por ano, respetivamente dadores femininos ou masculinos. Os requisitos gerais são: ter idade igual ou superior a 18 anos (doar sangue não tem idade limite, mas podemos ser dadores de medula óssea até aos 45 anos), ter peso superior a 50 kg e ser saudável. Todavia, para aferir impedimentos, é efetuado um exame médico prévio. Tudo é controlado e executado por profissionais. Ao dador, nada acontece, a não ser a alegria de dar vida e saúde a alguém em necessidade. O sangue serve ainda para fazer derivados e encontrar dadores de medula óssea. Estes são inscritos numa base de dados nacional e internacional a fim de encontrar compatibilidade com doentes de leucemias e linfomas.

Eis, pois, uma verdade científica: este gesto tão simples pode mudar vidas, ajudar a curar e ser fonte de esperança. Propomos à ciência este desafio de investigação: será que os dadores de sangue não terão um coração mais forte… ou maior?

A todos os dadores de sangue, a nossa gratidão sincera.

Equipa de Educação para a Saúde

1 de dezembro: Dia Mundial de luta contra a SIDA


Em 1988, a Assembleia Geral das Nações Unidas e a Organização Mundial de Saúde (OMS) instituíram o primeiro dia de dezembro como o Dia Mundial de Luta contra a SIDA. Nestas três décadas, investigadores, profissionais de saúde, instâncias governamentais e outras instituições têm travado grandes combates contra esta doença: novos tratamentos, adoção de estratégias eficazes de rastreio e políticas de suporte ao doente. Muitos avanços foram conseguidos na abordagem, no seguimento e no tratamento da doença, pelo que esta infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) foi transformada de doença mortal em doença com características de cronicidade.

Contudo, o trabalho continua, um dos objetivos a nível global é a erradicação desta pandemia até 2030. Simultaneamente, investe-se noutros campos de atuação, também eles prioritários, tais como a qualidade de vida dos sobreviventes, a discriminação/ estigmatização e o desenvolvimento da literacia, sendo este último o mais eficaz meio de melhorar significativamente os índices epidemiológicos.

Muitas pessoas ainda resistem à realização do teste VIH, com receio de enfrentar o diagnóstico e o estigma vivenciado nos meios sociais, laborais e familiares. Só este simples facto prolonga a doença, acelera o seu desenvolvimento e a sua transmissão. Há ainda tanto a fazer…

A Escola Secundária de Pombal não podia deixar de assinalar este Dia Mundial de Luta Contra a Sida com uma exposição de materiais informativos. Alertar, informar, apelar, prevenir, acautelar, nunca parecem excessivos. Importa também estender a mão aos doentes em recuperação, lembrar os infetados sem acesso a qualquer terapia, evocar os falecidos e homenagear todos aqueles que vivenciam ou vivenciaram a doença enquanto cuidadores.

Ostentamos na entrada da nossa escola o laço vermelho, símbolo de solidariedade coletiva e de comprometimento individual na luta contra a SIDA. Desta forma aliámo-nos ao lema da OMS deste ano no combate a esta doença: «As comunidades marcam a diferença», pois reconhece-se que a intervenção local dará frutos a nível nacional e internacional.

Equipa de Educação para a Saúde

Refood na Escola Marquês de Pombal


No dia 21 de outubro de 2019, na Escola Básica Marquês de Pombal, os alunos das turmas do 6.º ano assistiram a uma sessão dinamizada por voluntários da Refood e organizada no âmbito dos Domínios de Articulação Curricular e do projeto de Educação para a Saúde. Nesta sessão, estiveram também presentes além dos alunos e dos professores, representantes da direção do Agrupamento e da Junta de Freguesia de Pombal.

O voluntário da Refood começou a sessão por apresentar esta organização independente (instalada em Portugal há 30 anos) e explicou a forma como esta se organiza: os voluntários, as fontes de alimentos, os beneficiários, o núcleo de operações, o apoio comunitário e a liderança. Na região de Leiria, há 207 voluntários que trabalham duas horas por semana para ajudar esta causa.

De seguida, evidenciou-se quais os seus objetivos relativamente ao direito à alimentação e ao aproveitamento do desperdício alimentar. Os alunos ficaram a saber muito mais sobre o que se passa em Portugal onde, por exemplo, um português em cada nove passa fome, enquanto mais de 1,3 milhões de toneladas de comida são desperdiçadas (cada português desperdiça 97 kg de alimentos por ano). Há mesmo um estudo de 2012 que concluiu que as pessoas desperdiçam 17% dos alimentos. Os alunos ficaram também a saber que o processo é simples: recolhe-se, divide-se e entrega-se junto dos que mais precisam de alimentos!

Esta atividade vem sensibilizar para os direitos humanos, sendo que o direito à alimentação é um deles. Por ser importante alertar para esta causa, a turma do 6.º C realizou esta notícia, para todo o Agrupamento, na aula de Português, com a professora Ana Letra.

Alunos do 6.º C