A saúde é (funda)Mental


A Organização Mundial de Saúde (OMS) define Saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afeções e enfermidades”. Lembremos, pois, que ser saudável é mais do que não ter doenças. Educam-nos para conquistar o bem-estar físico mas pouco se fala de Saúde Mental e da sua relação com a nossa robustez social.
A ciência sabe agora que a Saúde Mental envolve uma série de fatores socioeconómicos, biológicos e ambientais. Sabe também que a Saúde Mental vai para além de transtornos ou distúrbios mentais. Deixemos as averiguações científicas para os técnicos e foquemo-nos no essencial: os problemas mentais são transversais, todos estamos vulneráveis, portanto precisamos de estar alerta e informados. Vivemos num mundo de rápidas mudanças, exclusão, discriminação, condições laborais e sociais stressantes e exposição a diferentes formas de violência. É, assim, obrigatório falar de Saúde Mental enquanto problema de saúde pública, porque tem implicações vastas (até físicas) nos seres pensantes e interativos que somos, nas nossas realizações individuais e na nossa participação na comunidade.
No dia 10 de outubro comemorámos o Dia Mundial da Saúde Mental, uma iniciativa que resultou da parceria de várias entidades comprometidas neste trabalho de sensibilização, prevenção e intervenção: Projeto de Promoção e Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas de Pombal, Plano Nacional de Saúde Escolar, equipas Local de Saúde Escolar e de Educação para a Saúde.
Desde o 1.º ciclo ao ensino secundário, foram dinamizadas atividades em contexto de sala de aula, com o objetivo de desmistificar este tipo de perturbações e apontar caminhos. Só assim podemos procurar a autoproteção, perceber e acolher quem sofre. Nos recintos escolares, a comunidade escolar construiu o placar “Deixa aqui um pouco de ti…” e participou na tertúlia com técnicos do Centro de Saúde de Pombal. Na EMP também houve dança, nos intervalos da manhã, dirigida pela professora de Educação Física, Aida Antunes.
Atualmente, esta é uma preocupação vital das sociedades em todo o mundo, contudo já no século I ou II d.C. o filósofo e poeta romano Juvenal tinha esta convicção: o melhor que o Homem pode dar a si próprio é mens sana in corpore sano (“uma mente sã num corpo são”).

P´la equipa de Educação para a Saúde, Ana Moço

Campanha “Setembro dourado”


            Cancro significa incerteza. Significa luta. Significa amor à vida. Cancro na criança significa ACREDITAR que tudo isto resultará em futuro.  A Acreditar tem 25 anos. É uma associação que faz Acreditar que uma rede de partilha feita de crianças, jovens, pais e amigos faz a diferença na vida de todos os que (con)vivem com o cancro. Que faz Acreditar que o impacto da doença pode ser minorado e alguns desafios têm solução.

A Acreditar lança agora mais uma forma de luta: a campanha “Setembro Dourado” é um grito de alerta numa sociedade que tende a esquecer, talvez esmagada por tantas preocupações emergentes. Setembro é o mês internacional de sensibilização para o cancro infantil e o Agrupamento de Escolas de Pombal aliou-se a esta iniciativa que decorrerá até dia 30 de setembro com o objetivo de despertar consciências.

Setembro é recomeço para as famílias e as escolas, é caminho novo que se abre à nossa frente. Setembro é transição dos longos dias dourados de sol para o carinhoso dourado das árvores outonais. Dourado simboliza Força, Coragem e Resiliência, virtudes que habitam em nós mas que podem ser maximizadas por quem nos dá a mão, principalmente na doença. Acreditar nesta renovação e numa vida dourada é fundamental para as crianças com cancro.   Na oncologia pediátrica, os progressos abrem caminhos de esperança: dos cerca de 400 novos casos diagnosticados por ano, 80% são curáveis! É ainda pouco…

Segundo a Acreditar, há muitas batalhas que continuam a exigir compromissos, decisões e mudanças: o diagnóstico precoce; a falta de um sistema de saúde forte, ágil e bem apetrechado; o preconceito e a desinformação relativamente à doença; o apoio destas famílias através de leis mais protetoras e adjuvantes da cura; a falta de investimento estatal nos registos oficiais, na investigação e nos tratamentos inovadores, que afastam Portugal dos avanços europeus; a feliz sobrevivência e o “depois” (a qualidade de vida, a inclusão e readaptação destas crianças e jovens na vida escolar e profissional, o tratamento das sequelas físicas e emocionais).

A Acreditar pede a nossa ajuda nesta corrente conjunta de esforços. Não podemos silenciar. O Agrupamento de Escolas de Pombal deseja a todas as crianças um futuro … de ouro!

Equipa de Educação para a Saúde

Suporte Básico de Vida na Semana dos Afetos


Mais uma vez, o gosto pelas boas práticas conducentes ao respeito pela vida e pela saúde esteve presente na nossa escola, no passado dia 11 de março, com a realização de uma sessão de “Mass Training de Suporte Básico de Vida”pelos técnicos do INEM. Esta atividade constituiu-se em duas partes: uma teórica e outra de caráter prático. Os alunos envolvidos mantiveram uma atitude correta e de grande adesão à atividade, demonstraram muito interesse e, em conjunto com os professores envolvidos, puderam perceber e aplicar os procedimentos a adotar em caso de emergência, os quais poderão fazer a diferença entre morrer e viver.

A equipa da Educação para a Saúde presta um reconhecido agradecimento a todos os que, de qualquer forma, contribuíram para o êxito da atividade, salientando a grande disponibilidade sempre demonstrada pelos formadores do INEM.

Sónia Marques

 

“Namorar com fair play”


No Dia de São Valentim, a Escola Secundária de Pombal recebeu a ação “Namorar com Fair Play”, coordenada pelas Técnicas do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), Dra. Paula Gomes e Dra. Célia Caseiro, e dinamizada pela Voluntária pombalense, Dra. Adriana Marques.
Os alunos das turmas 9º D, 10º A, 12ºA, B e G foram alertados para os diferentes tipos de violência no namoro, com relatos e exemplos esclarecedores. Foram referidos números verdadeiramente perturbantes de vítimas, cabendo-nos – a todos – um papel ativo para evitar que continuem a aumentar. Não deve ser tolerado um “amor” violento, porque “quem te ama não te agride!”, como pudemos ouvir num dos vídeos apresentados durante a sessão.
Agradecemos a intervenção das representantes do IPDJ que nos deram a oportunidade de esclarecer os estudantes, com vista à prevenção da violência.

Fátima Marques, Clube dos Direitos Humanos, GAAF
Lídia Ribeiro, Projeto Young VolunTeam
Marta Mota, Coordenadora da Equipa de Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Ação de sensibilização: métodos contracetivos; infeções sexualmente transmissíveis; consequências da gravidez na adolescência


No dia 12 de fevereiro, os alunos do 12º ano, das turmas B, E, F e G, tiveram a oportunidade de assistir a uma excelente apresentação, dinamizada pela Drª Fernanda Santos, médica especialista de ginecologia e obstetrícia, a exercer funções na maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra. Os presentes foram alertados para as consequências físicas e psicológicas de uma gravidez na adolescência, para as várias infeções sexualmente transmissíveis, com imagens muito reais e referência aos métodos contracetivos existentes no mercado, frisando que só o médico poderá indicar o mais adequado a cada um. Realçou-se o preservativo como sendo um método que deve estar sempre na primeira linha, uma vez que é o único que previne as infeções sexualmente transmissíveis. No final da apresentação, os alunos colocaram dúvidas muito pertinentes que foram esclarecidas.

Marta Mota – Serviço de apoio à saúde

Ação de formação “Crianças e Jovens com Diabetes ‘Mellitus’ Tipo 1 (DM1) na Escola”


No sentido de promover a saúde, minimizar o impacto da DM1 no desempenho escolar dos alunos, capacitar docentes e não docentes para a gestão de situações intercorrentes de diabetes, e dando cumprimento à alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, bem como da orientação nº 006/2016 de 23 /11 /2016, realizou-se, no dia 10 de dezembro, pelas 18.00 horas, no auditório da Escola Secundária de Pombal, uma ação de formação, orientada pela Dr.ª Gracinda Junqueira e pelas enfermeiras Carla Santos e Jerusa Gameiro, profissionais do centro de saúde de Pombal, com intervenção em saúde escolar.

Perante uma assistência constituída por docentes de todos os ciclos de ensino e assistentes operacionais, a Dr.ª Gracinda Junqueira referiu os conceitos básicos da diabetes tipo 1, frisou a importância da articulação entre Encarregados de Educação e escola, os quais devem informar a escola do diagnóstico de DM1 do seu educando e facultar à escola informação que permita o acompanhamento da criança/jovem. Por sua vez, a escola deve solicitar a intervenção do interlocutor da Saúde Escolar local, apoiar a criança /jovem com DM1, durante todo o período letivo e nas atividades extracurriculares, providenciar os menus antecipadamente e apoiar na monitorização da refeição de acordo com o plano alimentar do aluno, respeitando e encorajando a independência. As crianças/jovens com diabetes não têm qualquer impedimento à participação em todas as atividades escolares, nomeadamente, de atividade física, visitas de estudo ou outras, devendo ter uma inclusão completa na vida normal da escola.Ler mais…

Dia Mundial da Coluna Vertebral


No passado dia 16 de outubro, na Escola EB 2,3 Marquês de Pombal, comemorou-se o Dia Mundial da Coluna Vertebral, tendo sido, por sugestão da Sociedade Portuguesa de Patologias da Coluna Vertebral, feita a exploração de um vídeo de sensibilização.

Assim, a fisioterapeuta do Centro de Saúde de Pombal, Dra. Carla Lemos, realizou esta abordagem, e outras relacionadas com os cuidados posturais, em quatro turmas do quinto ano (nas restantes turmas a mesma atividade realizar-se-á no final do 1.º período).

Os professores que acompanharam as turmas realçaram a pertinência e atualidade da temática e a atenção e colaboração dos alunos participantes. Por sua vez, a equipa de educação para a saúde endereça, desta forma singela, o seu muito Obrigada a todos os que participaram e tornaram possível mais esta aprendizagem aos nossos alunos.

Pela Equipa de Educação para a Saúde

Dia Mundial da Alimentação na Marquês de Pombal


Mais uma vez, no passado dia dezasseis de outubro, a Escola Básica Marquês de Pombal realizou um conjunto de atividades no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Alimentação.

Um dos objetivos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura é consciencializar e promover uma ação global para aqueles que sofrem com a fome e a necessidade de garantir a segurança alimentar e dietas nutritivas para todos. Neste sentido, e porque qualquer pequeno gesto pode fazer a diferença, os docentes do grupo 230 promoveram a atividade “Cabazes Saudáveis”, que consistiu na recolha de alimentos saudáveis, não perecíveis, a fim de se fazer face a algumas necessidades das famílias carenciadas cujos educandos estudam no nosso Agrupamento. As turmas aderiram de forma extraordinária e cada uma delas organizou e identificou o seu cabaz.

A Biblioteca da Marquês de Pombal também se associou à comemoração desta efeméride e promoveu, no próprio dia, entre as 08.25h e as 13.10h, sessões de sensibilização/ leituras para os alunos.

De igual forma, o COJ começou por comemorar o dia, divulgando o slogan “ A Vida é feita de escolhas, escolhe ser Saudável”, que se espalhou por toda a comunidade escolar. Aproveitando o dia de sol e o espaço exterior, colocou em prática vários exercícios físicos (salto à corda, tiro ao alvo e estafeta) e como “prémio” de participação ofereceu uma tacinha de gelatina e uma maçã com frutos secos.

Também os alunos do curso profissional de Técnico de Restauração, orientados pelo seu professor/formador Filipe Matos, brindaram todos os utentes do refeitório com alimentos saudáveis, que foram servidos duma forma criativa e original.

O desenrolar e sucesso de todas estas atividades, que proporcionaram a envolvência dos alunos e tiveram um eco muito positivo junto dos mesmos, só foi possível com o envolvimento e entusiasmo de toda a comunidade escolar a quem a Equipa da Educação para a Saúde presta um reconhecido agradecimento.

Pela Equipa de Educação para a Saúde

Palestras sobre o “Diálogo Intergeracional”


“O que significa ser IDOSO?”

Esta foi uma das questões colocadas pelo Diretor do Agrupamento de Escolas de Pombal, Eng. Fernando Mota, à plateia de alunos, aquando da sua intervenção, no início das palestras subordinadas à temática “Diálogo Intergeracional” que tiveram lugar na tarde do dia 1 de outubro.

Em representação da Coordenadora da Universidade Sénior de Pombal (USP), Dra. Sílvia Teresa Oliveira, seguiu-se a apresentação por parte da Dra. Anabela Jacinto que explicou os objetivos e o funcionamento desta instituição que conta atualmente com cerca de 140 alunos e uma oferta de 28 disciplinas. Foi mencionada a forma respeitosa como os jovens estudantes convivem com os alunos seniores, visto que ambos partilham o mesmo espaço físico da Escola Secundária. Ler mais…

Dia Mundial da Saúde Mental


No dia 10 de outubro, decorreu no ginásio da escola secundária uma sessão de yoga dirigida a assistentes operacionais, assistentes técnicos e professores.

No dia 11 e 12 de outubro, docentes e alunos do ensino secundário viram, no auditório da escola, o Filme “Uma mente brilhante”, realizado por Ron Howard, que é a adaptação da biografia do matemático John Forbes Nash Jr., da autoria da escritora Sylvia Nasar. O filme retrata a genialidade e a luta contra a esquizofrenia de Nash, interpretado por Russell Crowe.

Ainda no dia 12 de outubro as turmas do 10º F e 12º G, acompanhados pela professora Rosa Barreiro e Rosário Teixeira participaram, no cine teatro, na ação desenvolvida pela Equipa Local de Saúde Escolar do ACES Pinhal Litoral – centro de saúde de Pombal, que integrou a visualização de Umbra, uma curta-metragem realizada por Pedro Renca.

As atividades dirigidas aos alunos tiveram como objetivo envolver os jovens no debate em torno das temáticas relacionadas com a saúde mental, promover uma atitude anti estigma na doença mental e discutir fatores promotores de saúde mental e resiliência.

Marta Mota

Coordenadora da equipa de educação para a saúde