Comemoração do Dia da Floresta Autóctone


No dia 9 de dezembro, os alunos do 6.º A, no âmbito da comemoração do Dia da Floresta Autóctone, associado ao tema dos Direitos Humanos que se encontravam a trabalhar em Desenvolvimento e Cidadania, plantaram um carvalho-negral ou carvalho-das-beiras (Quercus pyrenaica), no jardim da Escola Marquês de Pombal.

O professor Jorge Sá, responsável pelo Programa Eco-Escolas, a professora Fátima Pessa e o aluno Martino Cordeiro acompanharam a turma tendo o professor explicado o que ia plantar e como, bem como sensibilizado para a importância dos espaços verdes e a sua protecção. De seguida, com a ajuda de alguns alunos, plantou a pequena árvore.

No decorrer do 2.º período, a turma do 6.º A, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, votou o nome que iria dar ao carvalho, tendo a professora sugerido aos alunos, antecipadamente, que pensassem no nome de uma personagem relacionada com a defesa dos Direitos Humanos, prestando-se assim uma simples homenagem. O nome escolhido pela maioria dos alunos foi o de Catarina Eufémia, uma figura lendária da nossa História.

A turma do 6.º A

Corta Mato Escolar 2019


Realizou-se no passado dia 10 de janeiro de 2020 o Corta Mato Escolar do Agrupamento de Escolas de Pombal, que decorreu na zona desportiva de Pombal, o qual envolveu alunos da Escola Básica Conde Castelo Melhor, Escola Básica de Pombal, Escola Marquês de Pombal e Escola Secundária de Pombal. Numa manhã desportiva dedicada ao atletismo e que serviu para apurar os representantes do Agrupamento que irão marcar presença no Corta Mato da CLDE no dia 28 do presente mês, participaram na atividade um total de 276 alunos. Foi uma manhã cheia de sol e de entusiasmo vivenciado pelos presentes, tendo colaborado na organização da atividade os alunos do 1.º ano do Curso Profissional de Técnico de Desporto.

O Grupo de Educação Física

Atividade de parceria com o Teatro Cine


Nos dias 15 e 18 de novembro, os alunos do 7.ºA, B e C foram ao Teatro Cine de Pombal, no âmbito da disciplina de Português, nomeadamente do estudo do Conto. Os alunos tiveram a oportunidade de visitar a exposição de João Belga e Nuno Bettencourt, ouviram o reconto de “A noiva do corvo”, de Teófilo Braga, e participaram num workshop de expressão plástica. Por fim, os trabalhos realizados foram expostos no átrio da escola Marquês de Pombal de 2 a 6 de dezembro.

Florinda Pereira

Feira do Livro 2019


De 09 a 13 de dezembro, a Biblioteca da escola Marquês de Pombal recebeu mais uma Feira do Livro no seu espaço. O evento foi organizado pela Biblioteca escolar e teve a colaboração e a parceria da Papelaria/Livraria Soares que uma vez mais e gentilmente acedeu ao desafio de expor as últimas novidades editoriais, bem como outras de interesse no âmbito das diferentes áreas curriculares. Todas as turmas da escola tiveram a oportunidade de visitar a Feira, em conformidade com um calendário/mapa de visitas elaborado para o efeito.

João Silvano

Natal na Biblioteca da EB Marquês de Pombal: letras e música!


Segunda-feira, dia 16 de dezembro, os alunos das turmas do 5.º D, 5.º E, 5.º F e 5.º H apresentaram, uns aos outros, canções e leituras de contos de Natal, na Biblioteca da Escola Básica Marquês de Pombal.
Na preparação e orientação destas atividades estiveram as professoras Fátima Couto (Educação Musical), Helena Evangelista, Paula Gonçalves (Português) e o professor Bibliotecário João Silvano.

A «Cantar o Natal», a turma do 5.º D interpretou o tema «Acordar» do maestro Virgílio Caseiro e representou a história «Natal no Hipermercado» de Luísa Ducla Soares. De seguida, os alunos da turma E entoaram uma «Miscelânea de Natal” porque a turma tem alunos de várias nacionalidades.
As turmas F e H, o Mateus, a Daniela e a Bruna (da Sala Multicor) assistiram a duas histórias sobre «Sonhos» de Natal de um Ursinho Rosa e de um menino de Pedra da Hera, depois fizeram «Queixa ao Pai Natal» a cantar.

No final de cada apresentação, o professor João cantou várias canções de Natal, acompanhadas à guitarra, que retratavam a história do nascimento do Menino Jesus.

E foi assim, ao som das letras e das letras com sons que (EN)CANTÁMOS O NOSSO NATAL!

«Merry Chistmas et Joyeux Nöel
Glücklich Weinacht,
Feliz Navidad
Boas Festas e Feliz Natal
Ding Dong Ding Dong»

Miscelânea de Natal

Turma do 5.º D

Direitos Humanos – uma visão voluntária na Marquês!


No dia 25 de novembro de 2019, pelas 11.25 h, realizou-se, no auditório da Escola Básica Marquês de Pombal, uma sessão formativa dinamizada pela Associação Mozvision, na pessoa da voluntária Carla Domingues, na qual participaram os alunos do 6.º A e do 6.º C, tendo como objetivo sensibilizar para os Direitos Humanos. Integrada no tema de Cidadania e Desenvolvimento, a ação destinou-se a abordar o tema dos Direitos Humanos e dos Direitos das crianças, uma das áreas trabalhadas nas Oficinas@Erguer Futuros.

Esta iniciativa, de grande importância, deu a conhecer diferentes realidades e outras formas de estar na vida, quer de outras crianças, quer de outros adultos; sensibilizou ainda para as carências a nível da saúde, da educação, da alimentação, da falta de água potável, entre outros aspetos, pretendendo consciencializar os alunos para os privilégios que a escola, o saber e a sua vida em geral têm. Talvez desta forma se alertem os jovens para dar o seu contributo a fim de se construir um mundo melhor!

Foi uma sessão muito animada e participada e só se pode estar grato à D. Carla por vir dar o seu contributo tão realista sobre os Direitos Humanos e sobre o que ela viu e viveu na realidade.

Os alunos do 6.º A

“O Principezinho” viaja até Pombal – e cria laços connosco!


No dia 28 de novembro, realizou-se um teatro musical sobre a obra de Antoine Saint-Exupéry “O Principezinho”, no Teatro-cine de Pombal.

Os alunos do 5.º e do 6.º ano da Escola Básica Marquês de Pombal foram assistir a este espetáculo teatral recriado por quatro atores. Os atores fizeram vários papéis: o Principezinho (Príncipe de Palmo e Meio) demonstrava grande alegria, o gosto de ser criança e de viajar. Ensinou-nos que não devemos dar tanta importância aos valores materiais, mas sim aos valores sentimentais. O aviador mostrou tristeza por ser uma pessoa crescida e não ter imaginação, no final, ele sentiu falta do seu amigo e demonstrou saudade. A Rosa era literalmente uma grande Diva, ingrata em relação a tudo o que o Principezinho lhe proporcionava e fazia-se de difícil, mas na hora da despedida mostrou sinais de tristeza e de abandono. O Rei queria súbditos, mas o seu planeta era minúsculo, queria que o Principezinho se julgasse a si próprio no seu planeta e queria companhia. O Vaidoso, o Rico (Homem de Negócios), o Bêbedo e a Vendedora de Comprimidos só davam valor aos bens materiais e destrutivos. O Acendedor de Candeeiros surgiu aos olhos do Principezinho como uma pessoa útil porque não se importava só consigo e tinha a tarefa de apagar e acender o candeeiro todos os dias da sua vida. Já no deserto, a cobra prometeu ao Principezinho que, com uma mordidela, ele voltaria ao seu planeta e este, com a sua inocência, acreditou e foi atingido com o seu veneno. A Raposa ensinou ao Principezinho o sentido de cativar, o valor da amizade e da importância de cuidar de quem amamos. Contou-lhe este segredo “O essencial é invisível aos olhos“ das pessoas crescidas.

Esta peça encantou-nos e ensinou-nos o gosto de ser criança para sempre.

Alunos do 6ºF (2019)

 

As emoções em palavras:

«Esta história… … foi muito inspiradora e divertida (Afonso) … comovente (Ana Leonor) … mostrou-nos o valor da amizade e da imaginação (Clara, Francisco Mota) … que nunca devemos deixar de ter a nossa “criança” cá dentro (Sofia) … que a amizade é a melhor casa do mundo (Francisco Marques) … que é bom ser criança (Mateus, Ema, Santiago) … que a amizade e o amor têm muito valor (Margarida) … que mesmo quando somos adultos, ainda temos um pouco de criança lá por dentro (Ana Sofia)… ensinou-nos a não desistir dos nossos sonhos (Constança) … como é bom imaginar (Ana Filipa) … fiquei com vontade de ler o livro (Ademar).» 6.º F

«A peça foi muito engraçada e gostei mais do final quando o Principezinho e o aviador se abraçaram. Também me ajudou no meu futuro, eu queria ser professora, mas já não quero mais. Vou querer ser atriz porque o teatro me inspirou muito e vai ajudar-me a esquecer os problemas (Nikole). Eu tinha lido o livro e tinha visto o filme, mas não tinha percebido a história, agora já entendi (Guilherme). Eu gostei de participar na peça (Simão).» 6.º I

«Eu gostei… da raposa… da cobra … do planeta do vaidoso… do planeta do rei… do planeta do bêbedo… eu admirei muito o acendedor de candeeiros porque ele não se importava só com ele, mas sim com o candeeiro e tinha um trabalho útil… eu gostei de todos.» 5.º D

Celebração do dia da Floresta Autóctone – Plantação de árvores


Na segunda-feira, dia 2 de dezembro, os alunos de 5º ano, da EB 2, 3 Marquês de Pombal, plantaram várias árvores, dentro do recinto escolar, a título de comemoração do dia da Floresta Autóctone.

Acompanhados pelos professores, os alunos tocaram e cantaram a canção “O cuco na floresta” e em seguida plantaram árvores. Por fim, hastearam a bandeira do Eco-Escolas.

Desta forma, professores e alunos contribuíram para a construção de um ambiente melhor. Os alunos divertiram-se bastante e adoraram a atividade.

Elaborado por 5º F e 5.º G

Dia Mundial do Solo


A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu, em 2013,o dia 5 de dezembro como o Dia Mundial do Solo. O mote lançado este ano pela Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) é: “Pare a erosão do solo, salve o nosso futuro”.

Uma das funções do solo, a que geralmente chamamos terra, é a sustentação da vida na Terra. No entanto, este recurso natural, não renovável à escala humana, tem vindo a ser sujeito a diferentes agressões. Assim, a cada 5 segundos a Terra perde uma quantidade de solo equivalente a um campo de futebol. Ao ritmo atual, mais de 90% dos solos da Terra podem ser degradados até 2050. Estima-se que mais de 10 milhões de pessoas já abandonaram os seus países de origem devido à seca, erosão do solo, desertificação e desmatamento. O setor que faz uso do solo representa quase 25% do total de emissões globais de gases com efeito estufa. Neste sentido, a ONU enfatiza que a sua reabilitação e gestão sustentável é fundamental para combater as alterações climáticas.

Para assinalar este dia e no âmbito da disciplina de ciências naturais e do Clube “Ciência Viva”, os alunos da turma G do 7.º ano participaram com muito entusiasmo em atividades práticas hands-on, nas quais tiveram oportunidade de plantar árvores, observar raízes de plantas, analisar diferentes horizontes superficiais do solo e construir um filtro caseiro para a água.

O objetivo foi sensibilizar os alunos participantes para a importância do solo, como base de sustentação da vida no nosso planeta, nomeadamente como chave para reduzir a migração forçada, mitigar e adaptar às mudanças climáticas, melhorar a nutrição, fornecer água limpa, alcançar a segurança alimentar e preservar a biodiversidade.

Estefânia Pires, Professora de Ciências Naturais
Jorge de Sá, Coordenador do Programa Eco-Escolas

NA EB DE LOURIÇAL… Reviver tradições na semana da alimentação!


Comemoramos, na EB de Louriçal, a semana da alimentação/Dia Mundial da Alimentação, no âmbito da alimentação saudável.

Realizamos pesquisas no sentido de conhecer vivências e tradições…Partilhando em todos os momentos a sabedoria dos nossos pais e avós!

Visitamos, num dia, um moinho de água, na Ribeira de Santo Amaro, onde observamos a moagem dos grãos de milho e o produto final, a farinha de milho.

Confecionamos, noutro dia, a tradicional broa de milho e pão de trigo, desde a preparação à cozedura em forno de lenha tradicional, com a colaboração de avós e mães de alunos.

Terminamos com a degustação da saborosa broa e do delicioso pão, na nossa escola, com compotas de frutos da época, maçã e marmelo, em clima de festa por podermos usufruir de tão enriquecedores momentos.

Alunos e docentes